Dor

Diz Gloria Gaynor que ‘I’ll Survive’, superlativo sucesso que a transformou em icone (a música virou um hino gay, com sua letra de superação de dificuldades e destroçamentos), foi escrita a partir de dores nas costas que Miss GG sentia nos anos 80, quando compôs a música. Na época em que li essa história, achei risível. Afinal, a dor de que fala a música tem tanto a ver com abandono e corações partidos… Agora estou entendendo. Desde sexta estou com uma dor na lombar, bem na área do ciático, que não vai embora de jeito nenhum. Espero poder dizer, como GG, que também sobreviverei. Mas está difícil acreditar nisso hoje. De qualquer forma, com dor ou sem, há uma sessão de “Inocência” a minha espera. E lá vou eu. Sempre acho que teatro (arte de forma geral) cura. Quem sabe…

Escrito por Alberto Guzik às 17h22

Nosso livro

O lançamento de “Cia. de Teatro Os Satyros: Um Palco Visceral”, que narra a trajetória da companhia de 1989 até outubro de 2006 está agora definitivamente marcado para o dia 15/12, sexta-feria, a partir das 19h, no Espaço dos Satyros (Praça Roosevelt, 214). A capa, que por alguma razão misteriosa, não consigo trasportar para esta página, traz uma foto magnífica de Silvanah Santos, atriz maravilhosa, em “Cantos de Maldoror”, de Ivam Cabral, adptação do maditíssimo “Maldoror” de Lautréamont.

Escrito por Alberto Guzik às 17h27

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode se interessar